Home Institucional Produtos e Serviços Estatísticas Newsletter Ferramenta Local MailingNet Fale Conosco
Central de Atendimento: (11) 3341-2800
Login
Senha
Esqueci minha senha
Leitura de conteúdo
Pautas | Oficina de Mídia | 11/12/2013 18:38:50 | 102 Acessos
Direitos humanos já! - Por Keiko Ota*

As cenas de vandalismo na última rodada do Campeonato Brasileiro de futebol mostram o quanto ainda somos reféns da violência. Isso acontece justamente quando se aproxima o início da Copa do Mundo e as atenções de todo o mundo se concentram no Brasil.

O que vimos na Arena Joinville é fruto da ação de verdadeiros criminosos. Bem ao contrário do que se espera de um torcedor, que é um cidadão apaixonado pelo seu time e que sabe respeitar seus adversários.

Até quando vamos ver a criminalidade, a violência e a impunidade falarem mais fortes? O poder público tem de assumir sua parcela de culpa e erradicar esse mal. O fato é que ocupamos a incômoda 7ª posição no ranking mundial de homicídios. Ou seja, o crime faz 27,4 vítimas a cada 100 mil brasileiros. Ficamos atrás apenas de El Salvador, Ilhas Virgens, Trinidad e Tobago, Venezuela, Colômbia e Guatemala.

Esse quadro nos coloca, infelizmente, distantes dos preceitos da Declaração Universal dos Direitos Humanos – ainda mais no momento em que celebramos 65 anos de sua proclamação pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Ironia ou não, tudo isso ocorre ao mesmo tempo em que o mundo perde um grande líder como Nelson Mandela, que sempre foi um ardoroso defensor da paz e dos direitos humanos.

A situação ganha um contraste maior quando comparamos os números do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O estudo indica que os homicídios no país tiveram um acréscimo de 7,6%. O índice, que vinha caindo desde 2000, teve uma elevação de 14% no ano passado.

Dessa forma, fica difícil cumprir o que diz o artigo 3º da Declaração: “Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.” Por isso, precisamos de leis mais duras para os crimes contra a vida. Somente assim evitaremos que a criminalidade, a violência e a impunidade continuem ganhando o jogo contra a paz, a justiça e os direitos humanos.

Não sou adepta da tese derrotista de que o Brasil não reúne condições para sediar a Copa do Mundo. Pelo contrário, tenho plena certeza de que faremos um belo evento.

Para tanto, temos de apostar na propagação da cultura de paz. Com isso, será possível incentivar o exercício da cidadania e promover o espírito de solidariedade e fraternidade na sociedade. Daí faremos jus ao artigo 1º da Declaração Universal: “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.” E, espera-se, ganharemos a Copa.

(*) A autora é deputada federal. Contatos: http://www.keikoota.com.br/ / (11) 2092-3337

Compartilhar
Sala de imprensa Oficina de Mídia
Empresa OFICINA DE MIDIA CONSULTORIA EM COMUNICACAO INTEGRADA
Contato Solange Melendez
E-mail smelendez@oficinademidia.com.br Fone (11) 22192433
Editoria (s) Opinião
"A Maxpress publica pautas e notas de clientes a quem cabe toda e qualquer responsabilidade pelas informações nelas contidas, e pelos direitos eventuais de autoria e de imagem."
Não há Conteúdos relacionados.
Não há Tag's relacionadas.
busca avançada
MAXPRESS
MAXETRON
Serviços de Tecnologia
e Informações LTDA
Copyright© 2010 Maxetron.
Todos os direitos reservados.
All rights reserved
Política de Privacidade
Portal Maxpress
Grupos editoriais
Arte e Lazer
Feminino e Masculino
Ciência e Ambiente
Geral
Comunicação
Nacional e Mundo
Economia e Finanças
Saúde
Empresas
Transportes
Esportes
Turismo
Portais
Institucional
Produtos e Serviços
Anúncio de banner
Contato
Fale conosco
MaxPR
Públicos
Imprensa Brasil
Corporativo
Governo Brasil
Imprensa latina
Vip
Ferramentas
Distribuidor
Monitor
Prêmios
Serviços
Mailing avulso
Job
Facilidades
Saídas
Minha conta